Como as válvulas são usadas no tratamento de águas contaminadas?

Toda empresa que trabalha com a coleta e tratamento de águas precisa estar atenta às principais diretrizes e boas práticas de proteção ao meio ambiente. Exemplo disso é a 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que estabelece as diretrizes e políticas nacionais para o saneamento básico.

Embora muitos tipos de válvulas sejam usados nesse trabalho de descontaminação, uma coisa que todas têm em comum é a necessidade de adequação para lidar com fluidos contendo sólidos suspensos.

Assim, neste post, vamos explicar o papel que esses instrumentos desempenham na operação de processos típicos de plantas de esgoto.

O que são estações de tratamento de fluentes (ETE)?

As estações de tratamento de fluentes são responsáveis por coletar a água residual gerada por casas, empresas e indústrias, bem como processá-la de forma a atender aos padrões federais e estaduais de qualidade.

A partir do momento em que a substância tratada atende aos requisitos necessários, como remover as cargas de poluentes através de processos físicos, é possível descartá-la com segurança em sistemas de reutilização e hidrovias.

Como são feitos os meios de coleta

Dependendo da geografia da área, os sistemas de coleta usam a gravidade para passar o fluxo por esgotos, usando estações mais elevadas e redes de bombeamento para transmitir águas residuais sobre pontos mais altos e grandes distâncias, até uma estação centralizada.

As válvulas nesse tipo de estação estão localizadas na bacia de águas residuais ou em uma caixa separada. Os tipos mais comuns incluem modelos de retenção, controle e pneumáticas.

Válvulas Retenção

As válvulas retenção são essenciais nas estações elevatórias para impedir o fluxo reverso quando as bombas não estão em operação.

Existem tantos modelos dessa peça quanto bombas. Por isso, é importante entender as características fundamentais que afetam o desempenho no serviço de tratamento de águas contaminadas.

Válvulas de Controle

Quando as estações de bombeamento operam em alta elevação ou o fluido percorre longas distâncias (ou seja, mais de oito quilômetros), as válvulas de controle e equipamentos especiais podem ser necessários ao invés das tradicionais válvulas de retenção.

Válvulas de esfera ou bujão equipadas com atuadores elétricos, pneumáticos ou hidráulicos e conectadas ao circuito da bomba são usadas para auxiliar no bombeamento. Nesse caso, elas abrem e fecham várias vezes para alterar lentamente a velocidade do fluido, evitando assim a ocorrência de surtos em redes de longas distâncias.

Válvulas Shut-Off

Todas as bombas e válvulas de retenção devem ser equipadas com uma válvula Shut-Off para permitir o isolamento do sistema e a manutenção dos componentes da estação. Elas podem vir em muitas variedades; no entanto, todas devem ser projetadas para evitar o entupimento e o desgaste em fluxos que contenham sólidos.

Válvulas de Alívio

As válvulas de alívio são instaladas na descarga da bomba e em pontos altos para evitar que bolsas de ar ou condições de vácuo se formem ao longo da tubulação. Elas servem como dispositivos flutuantes que se abrem para expelir o ar quando ele é coletado no corpo da válvula.

A importância desses modelos não pode ser negligenciada. Elas não apenas mantêm a eficiência do fluxo ao liberar o ar acumulado, mas também executam muitas outras funções, incluindo o controle de oscilação após falha de energia da bomba, admitindo o ar rapidamente para evitar golpes de aríete.

De forma geral, esses processos requerem cuidado na hora da escolha dos modelos. Por exemplo, alguns, como as de borboleta, não devem ser usados no serviço de esgoto bruto. Ao invés disso, outros especialmente projetados, como válvulas de guilhotina, são ótimas escolhas para esses serviços.

Gostou desse nosso conteúdo? Então curta nossa página no Facebook e acompanhe sempre outras notícias e curiosidades da indústria.